quinta-feira, 10 de maio de 2012

Dicas sobre instalações telefônicas com DSL.

Internet_ADSLNão existe seque uma pessoa que não conheça, ou já tenha passado por problemas com a banda larga via ADSL no Brasil. Muitos defendem que a privatização melhorou o sistema - mas eu não sei em que. Será que dizem isso só porque foi uma obra do brilhante Sergio Motta a mando do intocável FHC? Pretendo tratar aqui de oferecer algumas dicas, e pelo menos dar uma luz sobre como funciona esse sistema.

Entendendo o sistema: Você deve saber que usando o DSL, sua linha passa a ser dividida em dois canais (voz e dados). Ela terá que está próxima a central telefônica, para que não ocorra a atenuação (Line Attenuation - ATN). E deve haver uma boa relação sinal/ruído (SNR). Para um mega um valor bom seria em torno de 30-34, se ele ficar abaixo desse valor, e você tiver um ATN acima de 50, você fatalmente irá ter problemas.

O Line Attenuation é usado para medir a distancia da central telefônica até sua casa. Quanto mais longe dela maior a atenuação, e conseqüentemente sua linha não agüentará planos de maior velocidades. Na verdade o parâmetro significa a resistência do sinal ao passar pelo fio, se ele tiver com emendas ou cruzar com fontes que gere campos magnéticos, a atenuação sobe.

CEV_e_TARInstalação telefônica nos postes: Os fios do tipo FE saem das casas e vão aos postes de rua onde são conectados em uma caixinha preta, o TAR (caixa terminal de aceso de rede). Cada assinante das proximidades tem um par de conectores nessa caixa onde são ligados os “pares telefônicos”. Outros saem desta ligando-se aos cabos do tipo CTP-APL em um caixa em forma de bolsa, a CEV (caixa de emenda ventilada).

AD_e_DGPares primários e secundários: Os cabos CTP-APL - chamados secundários - que chegam a CEV são os que saem do AD (armário de distribuição), estes estão ligados ao DG (distribuidor geral) por cabos subterrâneos (até 600 pares chamados primários). Grandes conjuntos de cabos saem destes e são ligados a central telefônica onde ficam os aparelhos DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer) que controla o sistema DSL.

O modelo apresentado aqui e o do meu bairro, pode ser diferente de operadora para operadora ou região: Como o uso de PTR (Ponto terminal de rede) nas casas ou Caixa CEMA (caixa de emenda mecânica aérea), CLP (Caixa de Ligação de Pares), CEASH e CEASV (Caixa de Emenda Aérea Selada Horizontal e Vertical) nos postes; ou o uso de só um ponto de distribuição como os AD em substituição a dupla AD/DG. Agora vamos às dicas.

Cabos: Evite emendas e tenha um cabo telefônico, de preferência o FE, do poste de rua direto a tomada do modem; não use o FI-60. Evite passar o mesmo perto ou cruzando fios elétricos, se possível passe-os por caneletas. Evite também estender-lo muito.

Ponto Central: Se vai usar o canal de voz, ligue o cabo FE a um splitter (não confunda este com o micro-filtro) em um local central; e daí divida, com cabos CI ou FE, a fiação para o modem e outro para o telefone. Você pode usar modelos com proteção contra raios, se tiver onde ligar o fio terra; mas não ligue no mesmo fio terra da casa. De preferências por splitter que tenha proteção por centelhador a gás.

Cabo_e_Adaptador_RJ11Oxidação: Se houver problema de perda de sincronia e queda de sinal, tente trocar os cabos telefônicos RJ11 que ligam seu modem/roteador à tomada, ou os adaptadores RJ11-Telebrás; se possível troque a própria tomada. Esses componentes tende a se oxidar com o tempo.

Redundância: Recomendo ter duas linhas de fornecedores diferentes, caso dependa da internet para trabalhar. Você pode usar um roteador dual WAN para ligar os dois links, pois se não pode ser possível acontecer o que ocorreu em minha cidade, onde um posto de saúde ficou uma semana sem internet.

Modulação: Às vezes pode ocorrer incompatibilidade da modulação padrão do modem e a do aparelho DSLAN na central telefônica, mesmo que seu aparelho esteja configurado para detecção automática. Há casos de pessoa que resolveram o problema trocando a modulação do aparelho de automática para fixa, e escolhendo uma das opções. Mas pode acontecer de a velocidade ficar baixo da esperada. Recomendo uma passada pelo site Dr House que tem um acervo de tutoriais sobre a configuração de alguns modelos de aparelhos bem comuns aqui no Brasil.

Conclusão: Eu tive vários problemas com minha conexão DSL, principalmente quando a Brasil Telecom foi comprada pela Telemar e virou a OI. Sem contar com a invasão de privacidade da mesma, com sua associação com a Phorm. No final ainda tenho um serviço porco, e que possivelmente não haverá solução, pois nem mesmo os técnicos sabem onde seria o problema, ou tem medo de admitir para não perder o emprego.

Há algum tempo atrás um técnico veio a minha casa fazer uns serviços por “fora” e teve decência de me explicar como funciona o sistema telefônico, e qual é a real causa dos problemas que ocorriam na região, e adivinha o que era essa causa? Se alguém ai disse sobrecarga de linha, acertou.

Depois das privatizações, as operadoras só estavam interessadas em pegar o maior numero de trouxas possíveis, mesmo sabendo que a infra-estruturar não agüentaria. E foi uma enxurrada de linhas e mais linhas sem se importar com o aumento do trafego; lindo não?

Agora eu pergunto: A vantagem de ter um sistema privatizado é ter mais linhas? E isso que foi o grande feito do Serjão? Para mim quem defende as privatizações de sistemas públicos ou é um dos poucos privilegiados que irá lucrar com isso, ou é um dos muitos imbecis acéfalos bajuladores de políticos.

Eu não defendo o monopólio; defendo sim a participação de empresas privadas, mas não a alienação de um bem público – construído com o dinheiro do contribuinte - em beneficio de um empresário; é principalmente se esse for estrangeiro.

6 comentários:

  1. uauhah, nossa, nem lembro como era, qual o tamanho da internet banda larga no Brasil antes da privatização, devia ser uma maravilha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você era pelo menos vivo nessa época Anônimo? Pelo seu comentário acho que não, banda larga na década de 90? Quem disse que o desenvolvimento da tecnologia DSL tem a ver com privatização?

      Da próxima vez tente não escrever dois comentários fingindo ser duas pessoas diferente.

      Excluir
  2. A vantagem da privatização inicialmente é sim ter mais linhas, é claro que nossa internet é lenta e cheia de problemas, principalmente pela falta de concorrência, mas se fosse pública, misericórdia, seriam poucas e caras linhas para poucos sobrinhos, provavelmente viveriamos no paraíso das Lan Houses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelo seu comentário, quando reclamar das telefônicas lembre sempre disso que você falou. Meu caro o modelo que regeu as privatizações do sistema Telebrás era para trazer mais concorrência, melhorias nos serviços, e um preço mais justo para este e não para aumentar o numero de “linhas”.

      Cara você leu o texto todo e a única coisa que você viu foi a palavra privatização? Vai entender.

      Excluir
  3. Obrigado pelas dicas. Muito boas e utilíssimas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De nada Edison; tendo dúvidas é só perguntar.

      Excluir